sábado, 31 de dezembro de 2016

Renegado à sorte

Cansado de uma amarga vida eu quis partir
De onde eu nasci e não tive sorte, quis ir pra longe
Fiz minha mala, juntei os trapos e minha pobreza
Sem ter certeza do meu caminho e chegar aonde

Peguei estrada, quis que o destino, então, me guiasse
Não era fácil deixar minha terra e algo pra trás
Até por que o meu sofrimento é o maior castigo
Deixar os amigos, a terra querida, a família e os pais

Viajei muito dias e noites com frio e fome
A sorte de um homem às vezes o abandona ainda no berço
O meu destino quem o traçou não era aprendiz
Sou infeliz e por ter nascido pago alto preço

Em altas horas da madrugada um dia cheguei
Desembarquei na grande Cidade a minha sorte
Mais uma vez só o destino me deu certeza
Que há pobreza pra todo lado, igual há no norte

Num viaduto junto com outros desfiz a mala
A voz se cala por um instante para pensar
Não sei se fico, voltar não posso, não sei se morro
Quero socorro, sou mais um pobre a mendigar

Me dê uma esmola em dinheiro ou em forma de pão
Irmão de Adão não tenho culpa se ele pecou
Se eu morrer meus irmãos e pais morrem no norte
Maldita sorte, mas amo Deus, o meu Criador

Autor: José Nogueira Lima
11/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

domingo, 25 de dezembro de 2016

Papai Noel

Eu chamo sempre e nunca vem
Vivo no mundo sem ninguém
A vida é assim; não sei por quê
Não tenho mamãe, não tenho papai
De onde vem, pra onde vai?
Papai Noel, quem é você?

Não tenho família e nem lar
Não tenho ninguém pra me amar
Queria eu ser um dos seus.
Por que minha vida é assim?
Papai Noel, traga pra mim
Eu já pedi, implorei a Deus

Papai Noel, por que eu não
Alguém tem tanto e vê minha mão
Sempre estendida e nada faz
Os meus brinquedos são droga e cola
Papai Noel, me dê uma escola
Casa, comida e meus pais

Alguém me diga quem eu sou
Não vim do ódio, vim do amor
Já fui prazer, quero carinho.
Por que eu vivo abandonado?
Onde estão os meus pecados?
Se for capaz, mostre o caminho

Só tenho o céu e o chão que piso
Me falta tudo que eu preciso
Sou maltratado como réu
Papai e mamãe que eu dei prazer
Neste natal eu quero ter.
Traga pra mim papai Noel!

Papai Noel, por que eu não
Alguém tem tanto e vê minha mão
Sempre estendida e nada faz
Os meus brinquedos são droga e cola
Papai Noel, me dê uma escola
Casa, comida e meus pais

Autor: José Nogueira Lima
17/03/2012

letrarabiscada@gmail.com

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Lágrimas de sangue

Olhem em meu rosto e verá que a tristeza está dentro de mim
É triste sim, mas meu coração só é mesmo infeliz
Por onde eu ando não vejo quem amo e só a dor me persegue
Estou quase entregue, brigando com a sorte e o destino que não quis

A felicidade que eu sempre busquei não encontro e choro
Às vezes, no colo dessa mesma dor que tento esquecer
As lágrimas de sangue, de ontem e de hoje e de amanhã, talvez
Foi meu Deus que fez a dor e a saudade e também você

Deus fez a vida e um coração de carne onde você mora
Os meus olhos que choram lágrimas de sangue e você não vê
Minha boca que chama e os braços vazios que não te alcançam
Fez a esperança e os sonhos bonitos que sonhei com você

Quem sabe amanhã, que será um novo dia, então, você virá
Quando o sol brilhar lá no céu e sentir no seu coração
A dor da saudade que me castiga e que me faz sofrer
Você irá saber os motivos das lágrimas de sangue. Paixão

Quando a gente ama não se esquece. Não esqueci, e não esqueço
Sabes que eu mereço mais que o seu amor e tudo que Deus fez
Quero ver o sol nascer, minhas lágrimas secarem se você voltar
Não canso de esperar, quero te abraçar e ser feliz outra vez

Autor: José Nogueira Lima
11/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Última serenata

Não usa mais serenata
O romantismo acabou
Não se vê frases bonitas
Nem declarações de amor
Nem namoro na janela
Ou cartinhas enviadas
Ou alguém mandar flores
A sua pessoa amada

Porque os tempos passaram
Não há telegramas de amor
O saudoso violão também
Como eu chora de dor
Quantas vezes o sereno
Molhou meu rosto e suas cordas
As minhas palavras e minha voz
Que em sonho ainda te acordam

Acorda deste sono
Vem ouvir esta canção
Cantada com a minha voz
E o som do meu violão
A nostalgia te chama
A saudade me mata
Sonhei a noite inteira
Com a última serenata

Sinto muita saudade
Das noites enluaradas
Das lindas canções de amor
Nas belas madrugadas
Pela estrada a fora
Na poeira, muitas vezes
Escrevi o seu nome
Data do ano e do mês

Com lágrimas nos olhos
Abraçado ao meu violão
Que chorava junto ao peito
Ouvindo o meu coração
Tenho saudades da janela
E daquele luar de prata
De um passado que se foi
E de minhas lindas serenatas

Autor: José Nogueira Lima
08/01/2013

letrarabiscada@gmail.com

domingo, 11 de dezembro de 2016

Jeitinho de flor

A rosa vermelha que um dia te dei
Colhi de um jardim que nunca plantei
Mesmo sem regar, ela desabrochou
Pra meu desespero
Não sou jardineiro
Pra regar o nosso amor

O orvalho da noite molhou minhas raízes
Floresceu no meu peito o amor que eu quis
Seja jardineira e venha agora regar
Esta linda flor
A regue com amor
E não deixe murchar

A flor e o perfume fazem parte da vida
Pra quem tem amor a estrada é florida
Por isso, eu quero com você caminhar
E caminharei
E também encontrarei
Um bonito lugar

Nos jardins desta vida eu vou repousar
E o perfume das flores eu vou inalar
Você é a flor que eu nunca plantei
Mas te colhi em meus braços
Entre beijos e abraços
Eu só te amei

Com o meu amor sempre vou te regar
Não sou jardineiro, mas sei te amar
Tudo que eu tenho, junto a mim e lhe dou
Junto tudo aos seus pés
Minha linda mulher
Com jeitinho de flor

Autor: José Nogueira Lima
31/12/2012

letrarabiscada@gmail.com

sábado, 3 de dezembro de 2016

Renegado à sorte

Cansado de uma amarga vida eu quis partir
De onde eu nasci e não tive sorte, quis ir pra longe
Fiz minha mala, juntei os trapos e minha pobreza
Sem ter certeza do meu caminho e chegar aonde

Peguei estrada, quis que o destino, então, me guiasse
Não era fácil deixar minha terra e algo pra trás
Até por que o meu sofrimento é o maior castigo
Deixar os amigos, a terra querida, a família e os pais

Viajei muito dias e noites com frio e fome
A sorte de um homem às vezes o abandona ainda no berço
O meu destino quem o traçou não era aprendiz
Sou infeliz e por ter nascido pago alto preço

Em altas horas da madrugada um dia cheguei
Desembarquei na grande Cidade a minha sorte
Mais uma vez só o destino me deu certeza
Que há pobreza pra todo lado, igual há no norte

Num viaduto junto com outros desfiz a mala
A voz se cala por um instante para pensar
Não sei se fico, voltar não posso, não sei se morro
Quero socorro, sou mais um pobre a mendigar

Me dê uma esmola em dinheiro ou em forma de pão
Irmão de Adão não tenho culpa se ele pecou
Se eu morrer meus irmãos e pais morrem no norte
Maldita sorte, mas amo Deus, o meu Criador

Autor: José Nogueira Lima
11/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Abraço de amigos

Amigos a gente faz
Nas mais difíceis horas
Não quando sorri
Sim quando a gente chora
O dinheiro não compra
O bom amigo não se vende
Mas a gente só descobre
Quando está no chão se aprende

Esta é a escola da vida
Onde eu fui formado
Fui aluno, sou professor
Muito bem diplomado
Junto a muitos outros
Que se formaram comigo
Aprenderam como eu
São meus verdadeiros amigos

Amigos; não se compra
Quem é amigo não se vende
Quem não cursa essa escola
Não tem jeito, não aprende
Foi assim que eu aprendi
Cantem esse refrão comigo
Abram os braços e se abracem
Num abraço de amigos

Amigos são essenciais
Onde quer que a gente vá
Quero deixar muitos deles
Por onde eu passar
Aqui no planeta Terra
Se for possível milhões
De amigos eu quero ter
E estar em seus corações

Como eu tenho no meu
De todos os amigos o mais fiel
A nos proteger na terra
E preparar pra nós no céu
Um lugar. E nas horas difíceis
A livrar-nos dos perigos
Dando para cada um de nós
Muitos e verdadeiros amigos

Autor: José Nogueira Lima
12/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

sábado, 26 de novembro de 2016

Ingratidão

Beijei o seu retrato
Na sua ausência
Cheirei as suas roupas
Busquei a sua presença
Por me faltar carinho
A minha cama esfriou
Cobertores não me aquecem
Sem você e o seu amor

O meu quarto vazio
Está entregue a solidão
Que apossou de mim
E do meu coração
De onde você não sai
Eu não deixo e não quero
Já não importa por que foi
O importante é que eu lhe espero

Dia e noite você voltar
Mas ainda não voltou
Traga de novo a alegria
E para mim esse amor
Que não pode ter outro dono
Seria injusto e ingratidão
Pertencem a ti a minha vida
Meu corpo, meu coração

Que já se acostumou com o seu
A ponto de conhecer em detalhes
Melhor do que você imagina
Assim conhece o meu e não fale
O que eu tenho de maior
É o tamanho da paixão
Que também não me pertence
Faz parte do seu coração

Esse que é o que eu lhe dei
Neste corpo que abandonou
Apenas por ingratidão
A quem ama, não voltou
Mas espero que volte
Logo, logo como eu quero
Como foi e me deixou
É assim que eu lhe espero

Autor: José Nogueira Lima
11/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

O topo do mundo

Por sua causa
Eu mudei de vida
Rodei o mundo
Fazendo história
Cantando em versos
E melodias
O meu amor
Cheguei à glória

Estou no topo
Da minha vida
A felicidade
Hoje é total
Você foi a base
E o impulso forte
Que me colocou
No último degrau

Tô nas alturas
Cheio de fama
Sonhos realizados
Junto contigo
Tudo a dois
Quando se ama
Deus só ajuda
Como fez comigo
Agora estou
No topo do mundo
Tenho o seu amor
E não quero descer
A felicidade
Me mantém aqui
Como estou agora
Juntinho de você

Hoje e para sempre
É o que vai durar
Esse nosso amor
E ninguém duvida
Das minhas palavras
E das minhas rimas
Nesta canção
Por todos ouvida

Eu fiz a letra
E a melodia
Gravei o amor
E contei ao mundo
O quanto eu te amo
E te desejo
E não posso ficar
Sem você um segundo

Autor: José Nogueira Lima
06/01/2013

letrarabiscada@gmail.com

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Corredor da ilusão

A estrada velha está hoje restaurada
Quantas boiadas por ali antes passaram
Veio o progresso mudou tudo, eu não esqueço
Também padeço com as marcas que ficaram

Hoje no asfalto sobre rodas vão boiadas
Nestas estradas que cortam o Brasil inteiro
Corta de dor um coração já sem esperança
Vai com a lembrança cavalgando o boiadeiro

Hoje, seu moço, sobre rodas também vivo
Tenho no arquivo da memória a razão
Sou um boiadeiro sem cavalo e sem boiada
A minha estrada é o corredor da ilusão

Em cada canto do grande Brasil colosso
Meu caro moço não tem um que eu não passei
Trago gravado e bem guardado na memória
A minha história que jamais esquecerei

Veja seu moço pendurado na parede
Aquela rede, minha sela e meu passado
Ao lado dela, o berrante e o meu laço
Também meus passos vivem hoje pendurados

Eu já estou velho numa cadeira de rodas
Me incomoda; quem será que me parou
Será os anos, o destino ou minha sorte
Só espero a morte igual à boiada esperou

Hoje o presente para mim não mais existe
Deus não permite ao homem restauração
Fui boiadeiro, caro moço, hoje sou história
Brasil afora já fui Rei da profissão

Autor: José Nogueira Lima
09/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

domingo, 20 de novembro de 2016

Minha história

Minha mãe foi lavadeira
O meu pai um boia-fria
Meu irmão é doutor formado
Eu sou aquilo que eu mais queria

Um artista em qualquer palco
Cantando a música raiz
Como meus avôs gostavam
Falando deste País

Onde há peão na Cidade
No campo doutor formado
Tentando encontrar a sorte
Sem cair ou ser derrubado
Pelo destino que os levam
Os sonhos de uma nação
Sem perder suas montarias
Como eu perdi minha paixão
Sem saber qual o motivo
Se tem um, nunca explicou
Deus traça o caminho da gente
Traçou o meu sem esse amor
Vou em frente olhando pra trás
Em busca do que eu sempre quis
Esse amor me faz contar
Minha história para o País

Eu não sei por que o destino
Leva a gente pra onde quer
Igual o meu já fez comigo
Me tirando esta mulher

Depois de traçar o caminho
E fazer de mim o que quis
Quero voltar as minhas origens
Cantando no meu País

Autor: José Nogueira Lima
30/05/2013

letrarabiscada@gmail.com

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Perdi tudo

Perdi seus beijos
Perdi seus abraços
Perdi seu olhar
Perdi seu chamego
Perdi meu sossego
E vivo a chorar

Perdi seu amor
Perdi seus carinhos
E perdi você
Eu perdi tudo
O que é um absurdo
Perdi meu viver

Perdi o que faz
Perdi tudo mais
Perdi seu sorriso
Perdi os seus feitos
Prendi no meu peito
Aquilo que eu preciso

Prendi meu amor
Prendi meus carinhos
Prendi os meus beijos
Mas no corpo seu
Queria sentir o meu
E matar o meu desejo

Perdi os meus dias
Perdi minhas noites
Perdi a esperança
Eu perdi o rumo
E não me acostumo
A viver de lembranças

Perdi a ilusão
Perdi a noção
Do que posso fazer
Não perdi a saudade
Mas a felicidade
Perdi sem você

Autor: José Nogueira Lima
01/01/2013

letrarabiscada@gmail.com

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Boneca de carne

Boneca de carne
Linda, o seu charme
É que me conquistou
Você faz comigo
O que alguém faz contigo
Te negando amor

Não dou a ninguém
O que quer e não tem
Mesmo rejeitado
Não vem quem a espera
Minha linda e bela
Sou apaixonado

Boneca, me ouça
Você é muito moça
Pra viver assim
Se não é amada
Por outro, coitada
É amada por mim
Se alguém te esqueceu
Não faça como eu
Que não te esqueci
Esqueça o maldito
Lembra que um infinito
Amor lhe prometi

Meu amor eterno
Deixe que o inferno
Cuide daquele ingrato
Que te fez chorar
E a mim machucar
Se não morrer, eu mato

Vai se arrepender
De nascer e viver
E ferir o seu charme
Vou vingar a nós dois
E te amar depois
Minha boneca de carne

Autor: José Nogueira Lima
31/12/2012

letrarabiscada@gmail.com

terça-feira, 15 de novembro de 2016

O João de Barro

Cansado da grande Cidade
Eu quis voltar lá pro interior
Onde o João de Barro ficou
O engenheiro do meu chão
Abraçar de novo a minha paz
Onde tudo anda de passo
Descansar naqueles braços
De quem me espera no sertão

Fiz uma casa grande, bonita
Ali ao lado de uma estrada
Pra morar com a minha amada
Lá pertinho de uma paineira
O João de Barro invejoso
Fez no galho lá em cima
Quando eu canto, ele rima
E eu não sei se é brincadeira

Moça boba é a que casa
Ele canta pra me provocar
Bate as asas e vai buscar
Barro e voa lá pra paineira
Esse construtor de sonhos
É inteligente, mas gozador
Apesar de acreditar no amor
Quer ver as fêmeas solteiras

Por que meu João de Barro?
Conta pra mim o acontecido
Eu também tenho comido
O pão que o diabo amassou
Fui alvo na grande cidade
De muito ódio e traição
Resolvi voltar pro sertão
E arranjar um novo amor

Vou morar na minha casa
E você aí em cima na sua
João de Barro, veja a lua     
E a sombra da paineira
Onde vivem os apaixonados
Cada um com sua amada
Eu aqui na beira da estrada
E você daí com as suas brincadeiras

Autor: José Nogueira Lima
05/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

domingo, 13 de novembro de 2016

Filhos do Brasil

Brasil de Pedro
De João e José
De lindas mulheres
E de céu azul
De lindas praias
Sol e calor
E muito amor
De norte a sul

De muitos folclores
E uma língua só
O que é melhor
É sermos brasileiros
De um estado qualquer
Mas da Federação
Junto a nossa Nação
Tem gente do mundo inteiro

Abrace o Brasil
E a sua Bandeira
Gente brasileira
Patriota ou não
Se ele te recebeu
Seja então gentil
Como filho do Brasil
A honrar a Nação

Brasil de tudo
Que é bom, mais pra poucos
Conscientes e loucos
Tem em todo lugar
Aqui tem alguns
Vocês já perceberam
Nunca se esqueceram
E eu estou a explicar

Tem um bom futebol
Que já mereceu taça
Cerveja e cachaça
Whisky do brasileiro
Carnaval e alegria
Pra gente sambar
O Brasil é o lugar
Melhor do mundo inteiro

Autor: José Nogueira Lima
24/07/2013

letrarabiscada@gmail.com

sábado, 12 de novembro de 2016

Arrependida

Um dia brigou comigo
Sem pensar mandou-me embora
Eu fui e não voltei
Até ontem eu chorei
Hoje é você que chora

Os motivos não entendi
O porque ainda não sei
Se meu amor você não quis
E por isso, hoje é infeliz
Ao lembrar que só te amei

Arrependida se hoje chora
Muitas lágrimas eu já chorei
Por seu amor pelo seu não
Por ferir o meu coração
Arrependida, se eu só te amei

Se hoje você mudou
Não pense que eu mudei
Arrependida vem a chorar
Não tenho culpa posso secar
Este seu rosto que antes beijei

Arrependida olha meu rosto
O seu desprezo em mim marcou
Onde estiver irá lembrar
Que eu amei sem me amar
Tudo que eu quis a mim negou

Autor: José Nogueira Lima
03/11/2007

letrarabiscada@gmail.com

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

É tudo meu

Você sabe que tem
Corpo bonito
Andar perfeito
Pra me castigar
Tem tudo em cima
Na medida exata
E quase me mata
Sem querer matar

Com tudo seu
Você enlouquece
O meu coração
Com o que você tem
Não tem piedade
Ao pensar que é seu
O que na verdade é meu
E de mais ninguém

É tudo meu
É tudo meu
É tudo meu
O que é seu é meu
É tudo meu
É tudo meu
É tudo meu

Dos pés a cabeça
Descendo ou subindo
O que você pensar
É mesmo, tudo meu
Querendo ou não
Por dentro e por fora
Depois e agora
Eu quero tudo seu

A boca pra beijar
Com desejo e vontade
Eu só quero você
E mais ninguém
Quero isso e aquilo
E o que imaginar
Eu volto a falar
Que o que você tem

É tudo meu
É tudo meu
É tudo meu
O que é seu é meu
É tudo meu
É tudo meu
É tudo meu

Autor: José Nogueira Lima
17/07/2013                                                                       

letrarabiscada@gmail.com

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

É meu, é meu

Esta menina mexe com a minha cabeça
O que que eu faço, pois preciso conquistar
Joguei o charme, esnobei, mandei recado
Ela esnobou, mandou resposta que não dá

Passa por mim ainda sorri fazendo pose
Joga os cabelos contra o vento a provocar
Ela é charmosa, delicada e tão bonita
Sua resposta não é não tem que mudar

Menina linda não é não é sim que dá
É meu, é meu, é meu, é meu diga que sim
Meu coração é todo seu venha buscar
Traga seu corpo inteirinho para mim

Por onde anda eu sei que todos te olham
Eu vi primeiro e por amor fiquei assim
Minha cabeça já não pensa em mais nada
Não dê pra outro o que deve dar pra mim

Uma resposta que eu quero é o sim que dá
De corpo inteiro o seu amor me oferecer
Quero em seus braços te dar tudo e até mais
Diga que sim aceita o amor e me dê prazer

Autor: José Nogueira Lima
23/03/2013

letrarabiscada@gmail.com

domingo, 6 de novembro de 2016

Casinha na montanha

Eu moro numa casinha
Daquelas bem pobrezinhas
Lá bem pertinho do céu
No topo de uma montanha
Terra que o mar não banha
E o pranto molha o papel

Vejo as nuvens apressadas
Igual foi a minha amada
Passando por minha vida
Foi embora descendo o morro
Eu aqui imploro socorro
Chorando a sua partida

Rolam lágrimas morro abaixo
Já transbordaram os riachos
Tudo isso por causa dela
Já levou aterros e pontes
Inundou meu horizonte
Meu mundo acaba sem ela

Até o sol vive com medo
Já não nasce mais tão cedo
Eu vejo da minha janela
Sua luz não é mais quente
Ele e a lua, no presente
Como eu, sofrem por ela

Já não catam os passarinhos
Eu fiquei mesmo sozinho
A contar estrelas no céu
Vi descer a felicidade
Subirem a dor e a saudade
E a solidão que é tão cruel

Para mim não tem mais jeito
Os meus sonhos estão desfeitos
Meu mundo quer desabar
Por que ela desceu o morro
Foi embora, então eu morro
Na minha vida de chorar

Bem do alto da montanha
De onde meu pranto banha
O mundo, meu Deus fiel
Da casinha, minha morada
De onde partiu minha amada
Só quero partir pro céu

Autor: José Nogueira Lima
24/03/2013

letrarabiscada@gmail.com

sábado, 5 de novembro de 2016

Cobiça

Você é o que eu gosto
De admirar
Olhar e desejar
Com a minha malícia
Eu penso em tudo
O coração me entende
Por isso, me compreende
E também te cobiça

Ele te deseja e te quer
E espanca o meu peito
Me põe de um jeito
Você precisa ver
O cérebro dá ordem
Pro corpo agir
Eu não posso resistir
Tenho que amar você

Se você me entende
E o seu coração quer
Está tudo de pé
Como o que eu já falei
Atenda o meu corpo
Que o seu deseja
Me abrace e me beija
E veja o que eu farei
Com o seu coração
E esse corpo seu
Que encantou o meu
Por ter tanto pra dar
Me encheu de desejo
Amor e cobiça
Usa a sua malícia
E venha me amar

Eu sou tudo aquilo
Que alguém também quer
Descubra o que é
Garanto vai gostar
Eu tenho guardado
A sete chaves e mostro
Porque eu quero e gosto
É que estou a revelar

O segredo é meu corpo
Ser um frasco de amor
Que não vendo e só dou
A quem merecer
Você sim merece
Este meu coração
O meu corpo e a paixão
Eu só ofereço a você

Autor: José Nogueira Lima
31/12/2012

letrarabiscada@gmail.com

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Tribunal do amor

Você me deu e eu liguei
No seu telefone e chamei
Por você noite passada
Mas ninguém me atendeu
Que será que aconteceu
Com a minha chamada

O meu coração me avisou
Que outra noite chegou
Pra eu discar outra vez
Insistir se não atender
Agora processar você
Que me apaixonar você fez

Se não atender o telefone
Eu vou levar o seu me
Aos tribunais e lhe processar
Porque você me excitou
Eu pensei que era amor
Preciso e você na dá
Atenda essa ligação
Também o meu coração
Se não vai ter que ver
Vai pagar na justiça
O que fez e a cobiça
A mim por negar prazer

Eu quero todos os direitos
Aqueles que cobra o peito
Por você provocado
Vou indagar ao coração
Ao desejo e a paixão
O que deve ser cobrado

Você sabe que eu sou
Um consumidor de amor
E provoca o meu querer
Eu não tenho mais paz
Você provoca demais
E não quer me atender

Autor: José Nogueira Lima
30/12/2012

letrarabiscada@gmail.com

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Gente de lá

Brasil, brasileiros
Vamos ser reais
Têm poucos ricos
E pobres demais
Uns sofrem pagando
Outros que não têm
Pedem implorando
Esperando e não vem

O poder da caneta
Nem sempre é justo
Quem paga não leva
Alguém leva sem custo
A grande maioria
Vivem a reclamar
Pedindo justiça
E quem pode não dá

Gente, gente
Gente de lá...

O povo quer casa
E tem que morar
Contenta com pouco
Em qualquer lugar
Não é mansão
É pra esconder
Do sol e da chuva
O inverso de você

Não tem emprego
E nem dinheiro
Perderam a saúde
Que desespero
Olhem o nordeste
A seca e a fome
Quanta miséria
Matando o homem

Gente, gente
Gente de lá...

Olhem as Cidades
E as favelas
Subam em morros
Andem em vielas
Os pés descalços
Descamisados
Gente mais gente
Tão abandonados

Em viadutos
Ou pontilhão
Tem gente nossa
Chorando o pão
Crianças nas ruas
Mendigos em marquise
chorando o amanhã
morrendo o País

Gente, gente
Gente de lá...

Autor: José Nogueira Lima
17/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Sala de espera

Estou carente, abandonado num canto
Sofrendo tanto, só aqui e ninguém me vê
Sou um inocente sem amor, condenado
Pago dobrado o que eu não fiz a você

Meu coração é mesmo uma sala de espera
Nem da janela ninguém procura me ver
Abri a porta de entrada, ninguém entra
A dor aumenta e eu continuo a sofrer

Nesta sala vazia
Eu sou o ser carente
A solidão malvada
Já dominou o ambiente
Eu preciso é de amor
Já tentei, não tem jeito
É uma sala de espera
O coração no meu peito

Já faz tempo que eu espero assim tão só
Ninguém tem dó e eu me pergunto por quê?
Cada veia no meu corpo é uma estrada
Sinalizada para a esquerda e ninguém vê

O sentido é obrigatório, o amor indica
O meu explica é sem obstáculo e sem cancela
O meu peito é uma casa maravilhosa
Das mais gostosas e o coração sala de espera

Autor: José Nogueira Lima
10/04/2013

letrarabiscada@gmail.com

sábado, 29 de outubro de 2016

Mulher

Ah, mulher!
Ah, mulher!
Se não fosse você
Como eu iria fazer
Pra me manter de pé

Você me dá carinho
Amor e prazer
Me dá até você
Para me saciar
Não tem hora e nem dia
E quando eu desejo
Me enche de beijo
Além de me amar

Você não é frágil
É a parte forte
Eu acho que é a sorte
Em forma de mulher
Que Deus pôs no mundo
Pra amparar o homem
E levar o sobrenome
Que um deles te der

Você é namorada
Esposa, mãe e amiga
Mulher, então, me diga
Se você é feliz
Precisa mesmo ser
Tratada igual uma flor
Com carinho e amor
Como essa canção diz

Você trabalha muito
Cozinha, lava e passa
Tem fibra e raça
É a rainha do lar
Domina o mundo
O forno e o fogão
Estômago e coração
De quem sabe te amar

Você, mulher, merece
A singela homenagem
Linda personagem
Desse meu viver
Uma mulher me deu vida
Carinho e amor
Pra outra me criou
Que bom ser pra você

Que cuida de mim
E de tudo que é meu
Me dando o que é seu
Na hora que eu quiser
Você é a razão
Por eu ser como eu sou
Tão feliz no amor
Ao seu lado mulher

Autor: José Nogueira Lima
08/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Minha terra

Eu quero voltar a viver na minha terra
De onde eu saí e nunca mais voltei
Rever os amigos e lembrar a infância
Tempos de criança, que não esquecerei

Acordar cedinho e sentir o cheiro do mato
Ainda no quarto o cheirinho do café
No fogão a lenha uma broa de milho
A mãe do meu filho dizendo que me quer

Levantar da cama e ver o sol nascer
Ver o gado berrando preso no curral
E a passarada orquestrando uma canção
O galo ciscar o chão e cantar no quintal

Ver a porcada comer no chiqueiro
O moinho que gira e não pode parar
O caldo da cana no engenho correr
Dele vou beber e ver o monjolo socar

Depois cavalgar livre, como é o vento
Parar numa fonte e matar minha sede
Sentar numa sombra e curtir a natureza
Pescar numa represa e descansar numa rede

Juntar os amigos, abraçar a viola
Cantar uma canção e ver o sol se por
Eu trago guardado no meu coração
O meu grande chão, terra que me criou

Autor: José Nogueira Lima
12/04/2013

letrarabiscada@mail.com

domingo, 23 de outubro de 2016

Joia sem preço

Meus pensamentos voam bem alto sem asas no ar
Querendo pousar naquele horizonte que eu sempre sonhei
Vivem vagando de um lado para o outro a sua procura
Parece loucura amar como eu te amo e sempre te amei

Esse amor que eu sinto tem a beleza infinita e a paz lá do céu
É doce como o mel cristalino como as águas das fontes, eu sei
E com toda certeza vivem correndo a procura do mar
Irão encontrar com certeza eu digo como eu te encontrei

Aqui na terra o meu paraíso é você meu amor
Para um pecador eu tenho muito mais do que eu mereço
Eu acho que Deus já me perdoou antecipadamente
Dando-me de presente você minha joia rara sem preço

Não existe nada melhor no mundo amor do que você
Nesse meu viver você é a certeza da minha felicidade
Não importa o resto ou as outras coisas amor pode crer
Deus me deu você e eu te pertencerei até a eternidade

Que demore muito e eu tenha você para sempre me guiar
Por onde me levar a magia do amor para outros deixarei
Como flor no jardim ou fruto no pomar que eu vivo a colher
Sustento-me de você e desse amor que em ti encontrei

Autor: José Nogueira Lima
16/04/2013

letrarabiscada@gmail.com

Pelas mulheres

Pra ter mulher
Eu corro qualquer perigo
Desafio qualquer inimigo
Em qualquer situação
No escuro da estrada
Sem medo da madrugada
Pular cerca e muro é bão

Por uma delas
Já dei golpe de machado
Escapei de ser linchado
No fundo de um armário
Por amar quem outro ama
Já escondi embaixo da cama
Igual pinico de otário

Pelas mulheres
Deito tarde e acordo cedo
Já matei o medo de medo
E o vizinho de paixão
Seu juiz e delegado
Este amor não é roubado
São as mulheres que me dão

Por ser chegado
Eu já vi a coisa preta
Já vi um cano de escopeta
Encostado no ouvido
Já deixei calça e cueca
Já pulei igual perereca
Já corri igual bandido

Por todas elas
Não tenho medo da morte
Elas são a minha sorte
Não importa onde estão
Não tem macho que me para
Não tenho medo de bala
Nem de tiro de canhão

Para as mulheres
Sou um masculino eterno
Quando morre se for pro inferno
O capeta vai me expulsar
De medo de ser chifrudo
Ele sabe que eu não mudo
Não vai querer me mudar

Autor: José Nogueira Lima
08/04/2013

letrarabiscada@gmail.com

sábado, 22 de outubro de 2016

Contraste do viver

Vivo aqui hoje na grande capital
Onde o mal impera e faz a lei
Se mata, se rouba sem ter piedade
A felicidade de onde eu vim, eu deixei

Aqui o dinheiro se compra quase tudo
Até o absurdo de uma vida ter preço
Bandidos aqui se armam até os dentes
É bem diferente de onde eu vim e não esqueço

Nessa selva de pedra os grandes arranha-céus
Se cumpre o papel de riqueza e poder
Os pobres em favelas no beco da morte
Arriscando a sorte para sobreviver

É mendigos na rua pedindo esmolas
Crianças que imploram no sinal vermelho
Famintos sem pão e chorando de frio
Esse é o Brasil, para o nosso desespero

Lá no interior tem paz e céu azul
De norte a sul mora a felicidade
Desde criança pude ver estrelas
Caí na besteira de grande cidade
Lá tem luar e o sol bronzeia o rosto
A vida tem gosto e sabor o viver
Estou aqui, mas não tenho sossego
Será lá o aconchego quando eu morrer

Aqui se drogam menores sem lar
Na ilusão de buscar sua sobrevivência
Esse é o caminho com endereço do inferno
Culpado eterno é o Estado em falência

Muitas famílias vivem na miséria
Aqui a coisa é seria e não é como lá
O cantinho do nada de onde eu saí
Pra viver aqui, mas querendo voltar

Na periferia onde mora o povão
Vivem na contramão, sorte lá não passou
Não passa, mas tem no peito do migrante
Saudade fulminante de um bom interior

Por todos os lados têm fogo cruzado
São assassinados os sonhos de um povo
Heroico e bravo querem ordem e progresso
É isso que eu peço e pedirei de novo

Autor: José Nogueira Lima
09/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Jeitinho de flor

A rosa vermelha que um dia te dei
Colhi de um jardim que nunca plantei
Mesmo sem regar, ela desabrochou
Pra meu desespero
Não sou jardineiro
Pra regar o nosso amor

O orvalho da noite molhou minhas raízes
Floresceu no meu peito o amor que eu quis
Seja jardineira e venha agora regar
Esta linda flor
A regue com amor
E não deixe murchar

A flor e o perfume fazem parte da vida
Pra quem tem amor a estrada é florida
Por isso, eu quero com você caminhar
E caminharei
E também encontrarei
Um bonito lugar

Nos jardins desta vida eu vou repousar
E o perfume das flores eu vou inalar
Você é a flor que eu nunca plantei
Mas te colhi em meus braços
Entre beijos e abraços
Eu só te amei

Com o meu amor sempre vou te regar
Não sou jardineiro, mas sei te amar
Tudo que eu tenho, junto a mim e lhe dou
Junto tudo aos seus pés
Minha linda mulher
Com jeitinho de flor

Autor: José Nogueira Lima
31/12/2012

letrarabiscada@gmail.com

domingo, 16 de outubro de 2016

Lágrimas de sangue

Olhem em meu rosto e verá que a tristeza está dentro de mim
É triste sim, mas meu coração só é mesmo infeliz
Por onde eu ando não vejo quem amo e só a dor me persegue
Estou quase entregue, brigando com a sorte e o destino que não quis

A felicidade que eu sempre busquei não encontro e choro
Às vezes, no colo dessa mesma dor que tento esquecer
As lágrimas de sangue, de ontem e de hoje e de amanhã, talvez
Foi meu Deus que fez a dor e a saudade e também você

Deus fez a vida e um coração de carne onde você mora
Os meus olhos que choram lágrimas de sangue e você não vê
Minha boca que chama e os braços vazios que não te alcançam
Fez a esperança e os sonhos bonitos que sonhei com você

Quem sabe amanhã, que será um novo dia, então, você virá
Quando o sol brilhar lá no céu e sentir no seu coração
A dor da saudade que me castiga e que me faz sofrer
Você irá saber os motivos das lágrimas de sangue. Paixão

Quando a gente ama não se esquece. Não esqueci, e não esqueço
Sabes que eu mereço mais que o seu amor e tudo que Deus fez
Quero ver o sol nascer, minhas lágrimas secarem se você voltar
Não canso de esperar, quero te abraçar e ser feliz outra vez

Autor: José Nogueira Lima
11/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Porque te amo

Vivo sozinho sem você, vou procurar
Quero encontrar antes de outro e ter você
São imprescindíveis o seu carinho e o seu amor
E como estou eu sofro sem eu merecer

O corpo paga injustamente o que eu não devo
Então me atrevo lutar com a dor que me mata
Você é o motivo e minha esperança de cura
Estou à procura; você é tudo que me falta

Falta você na minha vida diariamente
Você é o presente que eu espero vir de Deus
Faz muito tempo, mas você ainda não chegou
Trazendo amor e os seus carinhos pra ter os meus
Espero hoje como ontem, amanhã quem sabe
Antes que acabe este mundo irei te encontrar
Tenho certeza e fé no amor porque te amo
Desejo e chamo venha ou eu vou te buscar

Não tem distância que supera os meus desejos
Pelos seus beijos e o que puder me oferecer
Você já sabe que o que eu quero não é pouco
Tô no sufoco, cheio de amor, venha trazer

Este seu corpo para o meu que vive em luta
Numa disputa com o tempo que maltrata
Sem piedade e sem dó ele me condenou
Morrer de amor não deixa você me faz falta

Autor: José Nogueira Lima
31/12/2012

letrarabiscada@gmail.com

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Tempestade de amor

É verão e o calor que eu sinto no meu corpo e me domina
Não é o sol, é você que chegou de mansinho no meu coração
É verdade, você é a luz que brilha na minha vida e caminho
É mais que as estrelas, que a lua e o sol; é o calor da paixão

Nas minhas noites, você é a luz que me aquece e jamais se apagou
Nos meus dias, você é o que eu preciso a todo instante, a minha direção
Porque se eu vivo e respiro, você é importante pra mim como o ar
Você é tudo isso, tempestade de amor no meu coração

Você é a chuva que molha meu rosto, o corpo, a alma e purifica o amor
É o hoje, o amanhã, a esperança, o futuro e o meu amanhecer
É o céu azulado que eu vejo e o meu horizonte que toco com as mãos
Um dos meus deuses: quem te fez no céu e você aqui no chão

Você é um campo florido onde só há beleza para os olhos de alguém
É a terra onde tem de tudo e é fértil demais para os meus desejos
É a natureza perfeita com o melhor de tudo para eu desfrutar
De tudo que existe você é o melhor que no mundo eu vejo

É as fontes onde nascem os desejos e os rios onde eu vivo a remar
É o mar sem fúria e calmo onde eu sou o seu único habitante
É um infinito amor que eu tenho sobre o meu domínio
Você é tudo isso; não preciso mais nada, você é o bastante

Autor: José Nogueira Lima
05/01/2013

letrarabiscada@gmail.com

domingo, 9 de outubro de 2016

Liga pra mim

Liga pra mim
Meu amor, liga pra mim!
Tô doido, desesperado
Muito louco apaixonado
Por favor, liga pra mim

O DDD de quem se ama
Não se deve esquecer
Me ligue e fale de amor
Do meu peito tire esta dor
Ou de amor irei morrer

Não importa onde esteja
Por favor, venha me escutar
No rádio e televisão
Invadi o seu coração
Te pedindo pra ligar

Se acaso estiver dormindo
Alguém dê o recado meu
Tenho amor, tenho paixão
Também tenho um coração
Desesperado pelo seu

A distância não importa
Se quiser ligue a cobrar
Faça agora uma ligação
Pra salvar o meu coração
E dizer aonde está

Já faz tempo que eu não durmo
De saudade de você
Já não janto e nem almoço
Nem mais respirar eu posso
Eu acho que vou morrer

Autor: José Nogueira Lima
29/03/2013

letrarabiscada@gmail.com

Serra catarinense

letrarabiscada@gmail.com

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Paixão antiga

Esta paixão antiga
A saudade inimiga
Só pensa em me machucar
Invadiu meu peito jovem
Outros amores não resolvem
E eu não posso mais no tempo voltar

Esquecer não é possível
Este amor grande e incrível
Também eu não quero esquecer
O que faz bem a minha ilusão
Mesmo enganando o coração
Vou esperar enquanto eu viver

Os meus dias eu vou levando
Esta paixão sempre esperando
Como se espera o vinho envelhecer
O meu peito é como adega
Tem de tudo, ama e não nega
Venha degustar do amor e me dar prazer

Porque sou um apaixonado
Trago em mim armazenado
Muito, muito tempo de uma espera
Já vi flores que murcharam
Outros amores que acabaram
O meu são flores numa eterna primavera

Minha paixão se eternizou
É parte de mim e do que sou
É mais que tudo e me domina só porquê
O amor pertence a vida            
Quem ama não tem saída
Me eternizei junto a paixão só por você

O meu corpo é taça cheia
Corre amor nas minhas veias
O coração é um jardim em flores
Essa paixão é que plantou
O tempo cultivou e guardou
O mais lindo de todos os amores

Autor: José Nogueira Lima
07/02/2013

letrarabiscada@gmail.com

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Promessas

Alguém já disse a você que te ama
Não tanto quanto eu
Você já percebeu
Vai longe a sua fama

Por onde eu andei o seu nome passou
Todo mundo fala
Mas quem ama, cala
É mais forte o amor

Se alguém falar mal eu não vou escutar
Mas se falar bem
Eu não quero também
Eu só quero te amar

Eu amo você mais do que alguém amou
Te quero muito mais
De fazer sou capaz
Mais do que alguém falou

Se alguém fez promessas, mentiu ou esqueceu
Eu realizarei
Todas que eu falei
E as que alguém prometeu

O amor é cego, é surdo e mudo
Eu também fiquei
Quando me apaixonei
Por você, mas não mudo

Se fizer o que não deve, já sabe: não vejo
De tão grande a paixão
Dentro do coração
Só quero ver o desejo

Você de corpo inteiro é os prazeres de tudo
É beleza e charme
As delícias da carne
Que eu quero e não mudo

Autor: José Nogueira Lima
07/01/2013

letrarabiscada@gmail.com

terça-feira, 27 de setembro de 2016

THE WALKERS

letrarabiscada@gmail.com

Perdi para saudade

Perdi para saudade, voltei atrás, vim te procurar
Que bom te encontrar para ser feliz como eu quero ser
O meu coração está como eu, mas nunca se enganou
Com esse amor; e está como eu, também preso a você

Fui abandonado pela felicidade que fugiu de mim
Me deixando assim como eu estou agora aqui a chorar
Pelo seu amor, querendo carinho, seu corpo e prazer
Preciso de você e de tudo que é seu; venha me amar

Meu corpo só precisa hoje do seu para viver
De muito prazer junto a ti para matar a saudade
Que eu trago no peito como castigo judiando de mim
Ponha nela um fim, me dê o seu amor e a felicidade
Se entregue de vez, como eu quero, ao meu coração
E a esta paixão que quase me mata sem você aqui
Maldita saudade e gostoso desejo eu sinto agora
Tudo isso me devora; perdi para saudade, não vou resistir

Perdi quase tudo, só me restam o amor e a própria vida
Não encontro saída; se é que existe, eu não a conheço
Em tudo que eu penso você está presente, isso eu juro
Meu amor é puro; por isso, eu sofro assim, mas não mereço

Já perguntei a Deus qual a razão e por que meu Senhor
Perdi o meu amor eterno, que é você, e acabei derrotado
Por você, que eu amo, além de outras coisas e pela saudade
Quero a felicidade, você aqui comigo, juntinho, ao meu lado

Autor: José Nogueira Lima
31/12/2012

letrarabiscada@gmail.com

domingo, 25 de setembro de 2016

Lágrimas de sangue

Olhem em meu rosto e verá que a tristeza está dentro de mim
É triste sim, mas meu coração só é mesmo infeliz
Por onde eu ando não vejo quem amo e só a dor me persegue
Estou quase entregue, brigando com a sorte e o destino que não quis

A felicidade que eu sempre busquei não encontro e choro
Às vezes, no colo dessa mesma dor que tento esquecer
As lágrimas de sangue, de ontem e de hoje e de amanhã, talvez
Foi meu Deus que fez a dor e a saudade e também você

Deus fez a vida e um coração de carne onde você mora
Os meus olhos que choram lágrimas de sangue e você não vê
Minha boca que chama e os braços vazios que não te alcançam
Fez a esperança e os sonhos bonitos que sonhei com você

Quem sabe amanhã, que será um novo dia, então, você virá
Quando o sol brilhar lá no céu e sentir no seu coração
A dor da saudade que me castiga e que me faz sofrer
Você irá saber os motivos das lágrimas de sangue. Paixão

Quando a gente ama não se esquece. Não esqueci, e não esqueço
Sabes que eu mereço mais que o seu amor e tudo que Deus fez
Quero ver o sol nascer, minhas lágrimas secarem se você voltar
Não canso de esperar, quero te abraçar e ser feliz outra vez

Autor: José Nogueira Lima
11/02/2013

letrarabiscada@gmail.com